CONTEÚDOS EXTREMOS
somente a equipe entra nessa page.

PM (trabalho de FISICA) part. 02

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

PM (trabalho de FISICA) part. 02

Mensagem por Admin em Qua Nov 06, 2013 11:17 am

A carreira militar é uma das mais admiradas por diversos jovens que buscam servir e proteger, porém para se tornar um militar é preciso força de vontade e muita dedicação. O ingresso nesta carreira acontece através de concurso público e como cada estado tem a sua polícia militar, as regras podem ter variações de um estado para outro, mas de forma geral são bastante semelhantes.







Ao entrar na carreira de polícia militar existem diversas missões a serem cumpridas. De acordo com a legislação das Forças Armadas, o policial militar deve assegurar o respeito da Lei, manter a ordem pública, prevenir e investigar crimes, fiscalizar e controlar o trânsito rodoviário nas áreas militares, escoltar comboios militares, guardar e proteger autoridades militares e civis, guardar presos sujeitos à justiça militar, perseguir e capturar foragidos da lei e entre outras tantas tarefas de          muita responsabilidade.







Polícia Militar Concurso















Para se entrar na carreira militar é necessário passar por um concurso público, que é dividido em etapas. Os candidatos que são aprovados na primeira fase passam por outros treinamentos e testes de aptidão física e psicológica. Há vagas geralmente para várias funções, sendo a grande maioria para soldados da PM. Depois de passar nesses testes, o iniciante é considerado aspirante e necessita de um treinamento intensivo para ser considerado um militar oficial e entrar para a polícia.







Requisitos básicos para entrar para Polícia Militar















Depois de passar no concurso público o candidato que deseja entrar para a polícia militar deverá apresentar-se nas seguintes condições. Ser brasileiro, ter idade entre 18 e 30 anos até a data final das inscrições, ter completo o ensino médio ou equivalente comprovado por meio de documento, ter estatura mínima de 1,65, estar em dia com as obrigações eleitorais, comprovar o alistamento militar, não registrar antecedentes criminais e estar em dia com suas obrigações junto à justiça.







Polícia Militar salários















Uma das grandes preocupações de quem pretende prestar concurso para entrar na polícia é em relação à remuneração. Os salários podem variar um pouco de acordo com o estado, mas são basicamente os mesmos. Quando entrar na polícia como soldado o valor aproximado é de R$ 900,00 reais mensais podendo chegar até R$ 1.500,00 reais. Porém sabe-se que há estados que pagam até R$ 3.000,00 reais para um policial militar que consegue entrar nesta difícil carreira.







Para maiores detalhes para você que deseja entrar nesta carreira, se informe melhor na Polícia Militar, lá você poderá tirar as dúvidas mais frequentes e ficar por dentro de tudo o que envolve a carreira desse profissional.







Veja no vídeo abaixo algumas dicas do teste físico para entrar na Polícia Militar.







 







 







ALISTAMENTO MILITAR







 (EXÉRCITO, MARINHA E AERONÁUTICA)







 








 


As Forças Armadas - formadas pelo Exército, Marinha e Aeronáutica – são instituições permanentes mantidas para defender o país e suas leis. Se convocados, todos os brasileiros, homens ou mulheres entre 18 e 45 anos, são obrigados a servirem às forças armadas (Art. 143 da Constituição Federal).
 



Em tempos de paz as mulheres e os eclesiásticos são dispensados destas atividades, no entanto, ao completar 18 anos, todos os jovens do sexo masculino estão automaticamente convocados a se alistarem e podem ter que prestar serviço militar por um ano.
É importante estar em dia com as obrigações militares, uma vez que estes documentos são solicitados em provas de concursos públicos, provas de vestibular, requisição de passaporte, etc.

Clique nos links abaixo para saber como funciona todo este processo:


 

·         Alistamento

·         Alistamento no Exterior

·         Seleção Geral

·         Dispensa

·         Designação

·         Isenção / Dispensa Automática

·         [url=http://www.guiadedireitos.org/index.php?option=com_content&view=article&id=447&Itemid=82#2 via]2ª Via de CAM / CDI / CI / CRM[/url]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Endereços das Juntas de Serviço Militar do Município de São Paulo

Endereços das Juntas de Serviço Militar da Região do ABC


 

 

 

Alistamento

 



O alistamento para o serviço militar é obrigatório a todos os brasileiros do sexo masculino que completam 18 anos de idade. A apresentação é feita entre 2 de janeiro e 30 de abril do ano em que os 18 anos se completam, na unidade da Junta de Serviço Militar mais próxima da casa do jovem.

Nesta ocasião, devem ser levados os seguintes documentos:


·         Certidão de Nascimento;

·         Comprovante de residência com nome do alistante ou dos pais;

·         2 fotos 3x4.



Após o alistamento, os jovens recebem o Certificado de Alistamento Militar (CAM), assim como uma nova data para se apresentar para a Seleção Geral, entre os meses de julho e outubro do mesmo ano.
 


Atenção: O jovem que não se alista no prazo normal (até 30/04 do ano em que completa 18 anos) fica em débito com o Serviço Militar e passa a ser convocado continuamente a se alistar até que compareça na Junta Militar mais próxima de sua casa para resolver tal pendência. Nestes casos, a penalidade sofrida é o pagamento de uma multa que aumenta de acordo com a demora na regularização da situação. Além disto, aqueles que não se alistam são considerados “refratários” e não podem tirar passaporte, prestar concurso público e se matricular em universidade.


 



 

Alistamento no Exterior




Cidadãos brasileiros que residam no exterior também são obrigados a se alistarem. Para isso é preciso procurar a Embaixada ou Consulado Brasileiro mais próximo e se apresentar pessoalmente entre janeiro e abril do ano em que completa 18 anos.


Para se alistar no exterior é preciso preencher o Formulário de Alistamento Militar e apresentar:
·         Certidão de nascimento;

·         Passaporte ou carteira de identidade;

·         Três fotografias (coloridas ou em preto e branco) no tamanho 3 x 4, de frente, fundo claro.

 



Após a entrega do Formulário e apresentação dos documentos é emitido o Certificado de Alistamento Militar (CAM).

Depois de se apresentar ao Consulado ou Embaixada e obter o Certificado de Alistamento Militar o cidadão que permanecer fora do país deverá apresentar anualmente, ou enviar por correio ao Consulado ou Embaixada, o seu Certificado de Alistamento Militar para pedir adiamento de incorporação. Esta apresentação anual deve ser feita até que o cidadão retorne ao Brasil (e retome o processo normal do Serviço Militar) ou até que complete 30 anos, idade em que pode solicitar o Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI).
 
 

Seleção Geral

 



No dia da Seleção Geral (data é marcada no alistamento), é preciso se apresentar portando os seguintes documentos:
·         CAM (Certificado de Alistamento Militar);
·         Carteira de Identidade (RG);
·         Certidão de Nascimento dos filhos (se possuir);
·         Certidão de Casamento (se possuir);
·         Comprovante de escolaridade (Certificado de conclusão de curso ou atestado de freqüência).
Nesta ocasião os jovens são encaminhados à uma seleção na qual são submetidos a uma série de avaliações físicas e psicológicas por meio de inspeções, testes e entrevistas. Aqueles que, de acordo com os teste aplicados, não forem considerados aptos para as forças armadas são dispensados das obrigações do serviço militar e recebem o Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI). Aqueles que estiverem aptos devem retornar no início do ano seguinte para saber se foram selecionados ou dispensados.
 


Atenção: Aqueles que se alistam mas não se apresentam na data determinada no alistamento para a seleção do serviço militar, também ficam em débito com as forças armadas, e além de serem considerados “refratários” e ter de pagar uma multa em dinheiro, passam a ter prioridade sobre os demais para prestação do Serviço Militar.


 



 

Dispensa




Os jovens dispensados precisam retornar mais uma vez à Junta Militar para participar de uma cerimônia na qual fazem um juramento de fidelidade à pátria e recebem seus Certificados de Dispensa de Incorporação.
 


Atenção: Caso o jovem seja dispensado, mas não compareça no prazo determinado para retirar o CDI (Certificado de Dispensa da Corporação), deve ir o quanto antes até a Junta Militar na qual se alistou para buscar o documento. Como procedimento padrão os documentos antigos são incinerados e para retirá-lo é preciso solicitar e pagar uma nova via (cópia).


 

 

Designação

 



Os selecionados para o serviço militar passam por uma última etapa, na qual, com base em suas habilidades e conhecimentos são designados para uma unidade da Marinha, Exército ou Aeronáutica.  Os designados se tornam recrutas pelo período de um ano, durante o qual recebem uma remuneração equivalente a um salário mínimo, e no final deste período obtêm o Certificado de Reservista.
 


Atenção: Aqueles que são selecionados e designados para o serviço militar e não comparecem no dia marcado para a apresentação são considerados insubmissos (crime militar) e, obrigatoriamente incorporados à organização militar (a não ser que esteja inapto por razões médicas).


 



Os convocados que possuírem grau de escolaridade igual ou superior ao da 3a série do 2º grau poderão se candidatar à matrícula nos Centros de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) ou nos Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR), cumprindo o serviço militar inicial como aluno e, posteriormente, se assim o desejarem, prestar serviço ao Exército como oficiais temporários.

Os jovens estudantes que, na época do alistamento, estiverem matriculados nas faculdades de Medicina, Farmácia, Odontologia e Veterinária, terão sua incorporação adiada enquanto estiverem fazendo faculdade. Após a conclusão do curso esses profissionais de saúde devem comparecer à Seleção Especial de Médicos, Farmacêuticos, Dentistas e Veterinários. Os selecionados prestarão o serviço militar inicial por um ano, podendo continuar nas forças armadas como oficiais do Serviço de Saúde.
 
 

Isenção / Dispensa Automática

 



Portadores de deficiência: Os portadores de deficiência física aparente são automaticamente dispensados do serviço militar, e recebem um Certificado de Isenção.

Arrimo de Família: No caso do jovem alistado ser legalmente casado, ser pai (e possuir registro civil de nascimento dos filhos em seu nome) ou sustentar a família, poderá encaminhar processo de arrimo de família, que o dispensa do serviço militar. Para encaminhar este processo, será necessário apresentar documentos que devem ser solicitados na Junta de Serviço Militar após o alistamento.

Isenção do serviço militar por convicção religiosa: No caso do jovem alistado ser integrante de Testemunha de Jeová, poderá encaminhar processo de isenção, que o dispensa do serviço militar. Para encaminhar este processo, o cidadão precisa apresentar declaração do chefe da comunidade religiosa a que pertence.

Incapacidade moral: são dispensados por essa razão os convocados que estiverem cumprindo sentença por crime doloso, os que depois de incorporados forem expulsos das fileiras.
 

 

2ª via dos Certificados

 



2ª Via de documentos de serviço militar como: Certificado de Alistamento Militar (CAM), Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI), Certificado de Isenção (CI) ou Certificado de Reservista Militar (CRM)

Em caso de perda ou dano de algum documento de serviço militar como: Certificado de Alistamento Militar (CAM), Certificado de Dispensa de Incorporação (CDI), Certificado de Isenção (CI) ou Certificado de Reservista Militar (CRM) é possível solicitar uma 2ª via na Junta de Serviço Militar (JSM) na qual ele foi emitido.  Este pedido de cópia precisa ser feito pessoalmente e pelo titular do documento, não são aceitos intermediários ou procurações.

Caso o titular do documento esteja morando em outra cidade ou estado e não possa retornar à JSM de origem para solicitar uma 2ª via, é possível fazer a transferência da ficha para Junta de Serviço  Militar mais próxima e então solicitar a emissão de uma nova via.
 







Mulheres nas forças armadas desafiam conceito de soldado







 







A partir da segunda metade do século XX as forças armadas de vários países do mundo começaram a admitir mulheres, que receberam formação idêntica a dos homens. Esse processo marca uma ruptura na história dos exércitos ocidentais, abrindo espaço para uma atuação diferente das funções auxiliares e modificando o esquema tradicional de recrutamento, alistamento e participação das mulheres apenas em tempos de guerra. Entre os países que se destacam no número de mulheres em suas forças armadas estão os Estados Unidos, 14% em relação ao total de soldados do país, Canadá com 11%, Hungria com 9% e França com 8,5%, de acordo com dados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan, 2000).







No Brasil, a inserção de mulheres nas forças armadas é recente. A participação ocorreu, primeiramente, em funções como auxiliares. A marinha foi a primeira a admiti-las na área de manutenção eletrônica. Em 1980, foi criado o Corpo Auxiliar Feminino da Reserva da Marinha, para atuação na área técnica e administrativa. "Legalmente elas podem ser movidas para outros trabalhos, mas na prática não é o que acontece. Elas permanecem nesse trabalho a vida inteira", conta Maria Celina D'Araújo, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, da Fundação Getúlio Vargas (Cpdoc/FGV), e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF). Apenas em 1998 houve permissão para participação feminina em missões nos navios hidrográficos, oceanográficos e de guerra e permissão para integrar tripulações de helicópteros.







O exército brasileiro foi o último das forças armadas a aceitar mulheres. Elas passaram a integrar os quadros complementares e de apoio administrativo, exercendo funções como médicas, dentistas, farmacêuticas, economistas, advogadas e outros. Depois, foram incorporadas nos quadros permanentes, mas sem poder galgar o topo da carreira. Segundo Maria Celina, que coordenou a sessão temática "Forças armadas e gênero", no II Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos de Defesa, que ocorreu um julho deste ano, as mulheres desafiam o conceito tradicional de soldado profissional secularmente associado à valentia como atributo masculino. "Elas são consideradas, em geral, como seres que precisam ser protegidos, dentro e fora dos quartéis, e isto suporia a exclusão em certas atividades consideradas de risco e de rigor disciplinar e, portanto, masculinas", acredita.







Em Israel, país onde o serviço militar é obrigatório para mulheres, elas estão excluídas das posições de combate. Isso ocorreu porque contribuíam para aumentar o número de mortos. A tendência do homem era proteger a companheira, enquanto o inimigo não queria se render à mulher. Ambos os casos geravam mais mortes. Nos Estados Unidos, as mulheres ocupam 95% dos postos de trabalho abertos para elas nas forças armadas, mas ainda estão excluídas dos campos de combate direto (artilharia, infantaria, forças especiais etc).







FORMAÇÃO MILITAR A Academia da Força Aérea (AFA) brasileira foi a primeira, e atualmente é a única, a incluir mulheres em um de seus cursos de formação de oficiais. Em 1996, mulheres foram admitidas como cadetes e começaram a receber formação idêntica a dos homens no curso de formação de oficiais da intendência. Quatro anos depois, mais de 50% dos cadetes do curso eram mulheres. Em 2002, foi aprovado o ingresso delas para o curso de formação de oficiais aviadores e, em 2004, pela primeira vez na história da aviação brasileira, uma mulher pilotou sozinha uma aeronave de instrução militar da AFA.







Segundo Emília Emi Takahashi, professora da AFA e autora de uma pesquisa sobre a participação de mulheres nessa instituição, as cadetes tem que se esforçar para que sua condição de mulher não se sobreponha ao espírito militar, ou à identidade militar. "As dificuldades ainda ocorrem, especialmente aquelas causadas por comportamentos discriminatórios isolados, entretanto, a elevação das notas, a identificação com os valores e atitudes próprios à vida militar como coragem, lealdade, dever e amor à pátria, são os aspectos mais lembrados quando penso na integração das mulheres na AFA", diz.







Na opinião de Maria Celina, entre os militares brasileiros prevalece o argumento da fragilidade feminina que serve de justificativa para restrições. "A idéia de proteção coloca a mulher no lugar de um ser que deve ser defendido em qualquer situação, se necessário pela guerra, mas nunca como agente direto do exercício da violência", explica. Segundo ela, é forte também a identificação da mulher com a maternidade, principal razão das baixas entre as militares. O casamento também aparece como fator limitante, em função das exigências de distanciamento e disposição de tempo integral próprios da vida militar, lembra Emília Takahashi.







"A admissão de mulheres na academia das forças armadas traz inovações históricas: o recebimento de uma formação acadêmico-militar idêntica a dos homens em um curso de formação de oficiais de carreira e a possibilidade de atingir o generalato", afirma Emília Takahashi. Hoje, segundo informações do Ministério da Defesa, 8403 mulheres estão empregadas na marinha, exército e aeronáutica, o que corresponde a 2,62% do efetivo das forças armadas brasileiras.







 







Salários militares







LEI Nº 12.778, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012.
Dispõe sobre remuneração e reajuste de Planos
de Cargos, Carreiras e Planos Especiais de
Cargos do Poder Executivo federal; ...; altera os
valores dos soldos dos militares das Forças
Armadas constantes da Lei no 11.784, de 22 de
setembro de 2008;
ANEXO LXI
(Anexo LXXXVII da Lei no 11.784, de 22 de setembro de 2008)
SOLDOS
POSTO OU GRADUAÇÃO
SOLDO (R$)
Até 28 de
fevereiro de 2013
A partir de 1o de
março de 2013
A partir de 1o de
março de 2014
A partir de 1o de
março de 2015
1. OFICIAIS GENERAIS
Almirante de Esquadra, General
de Exército e Tenente-Brigadeiro 8.331,00 9.093,00 9.924,00 10.830,00
Vice-Almirante, General de
Divisão e Major-Brigadeiro 7.983,00 8.715,00 9.510,00 10.380,00
Contra-Almirante, General de
Brigada e Brigadeiro 7.722,00 8.430,00 9.198,00 10.041,00
2. OFICIAIS SUPERIORES
Capitão de Mar e Guerra e
Coronel 7.044,00 7.689,00 8.391,00 9.159,00
Capitão de Fragata e Tenente-
Coronel 6.915,00 7.548,00 8.238,00 8.991,00
Capitão de Corveta e Major 6.777,00 7.398,00 8.073,00 8.811,00
3. OFICIAIS INTERMEDIÁRIOS
Capitão-Tenente e Capitão 5.340,00 5.829,00 6.363,00 6.945,00
4. OFICIAIS SUBALTERNOS
Primeiro-Tenente 5.058,00 5.520,00 6.027,00 6.576,00
Segundo-Tenente 4.590,00 5.010,00 5.469,00 5.967,00
5. PRAÇAS ESPECIAIS
Guarda-Marinha e Aspirante a
Oficial 4.323,00 4.719,00 5.151,00 5.622,00
Aspirante, Cadete (último ano) e
Aluno do Instituto Militar de
Engenharia (último ano)
894,00 975,00 1.065,00 1.164,00
Aspirante e Cadete (demais
anos), Alunos do Centro de
Formação de Oficiais da
Aeronáutica, Aluno de Órgão de
726,00 792,00 864,00 945,00
Formação de Oficiais da Reserva
Aluno do Colégio Naval, Aluno da
Escola Preparatória de Cadetes
(último ano) e Aluno da Escola de
Formação de Sargentos
660,00 720,00 786,00 858,00
Aluno do Colégio Naval, Aluno da
Escola Preparatória de Cadetes
(demais anos) e Grumete
645,00 705,00 768,00 840,00
Aprendiz-Marinheiro 606,00 663,00 723,00 789,00
6. PRAÇAS GRADUADAS
Suboficial e Subtenente 3.597,00 3.927,00 4.284,00 4.677,00
Primeiro-Sargento 3.180,00 3.471,00 3.789,00 4.134,00
Segundo-Sargento 2.748,00 3.000,00 3.273,00 3.573,00
Terceiro-Sargento 2.268,00 2.475,00 2.703,00 2.949,00
Cabo (engajado) e Taifeiro-Mor 1.518,00 1.656,00 1.809,00 1.974,00
Cabo (não-engajado) 540,00 591,00 645,00 702,00
7. DEMAIS PRAÇAS
Taifeiro de 1ª Classe 1.437,00 1.569,00 1.713,00 1.869,00
Taifeiro de 2ª Classe 1.365,00 1.491,00 1.626,00 1.776,00
Marinheiro, Soldado Fuzileiro
Naval e Soldado de 1ª Classe
(especializados, cursados e
engajados), Soldado-Clarim ou
Corneteiro de 1ªClasse e Soldado
Paraquedista (engajado)
1.146,00 1.251,00 1.365,00 1.491,00
Marinheiro, Soldado Fuzileiro
Naval, Soldado de 1ª Classe (nãoespecializado)
e Soldado-Clarim
ou Corneteiro de 2ªClasse,
Soldado do Exército e Soldado de
2ªClasse (engajado)
963,00 1.053,00 1.149,00 1.254,00
Marinheiro-Recruta, Recruta,
Soldado, Soldado-Recruta,
Soldado de 2ª Classe (não
engajado) e Soldado-Clarim ou
Corneteiro de 3ªClasse
492,00 537,00 588,00 642,00
tallestlb


Última edição por Admin em Qua Nov 06, 2013 11:19 am, editado 3 vez(es) (Razão : trabalho de fisica 13.11.2013)

Admin
Admin

Mensagens : 29
Data de inscrição : 06/03/2013

Ver perfil do usuário http://conteudos.foruns.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum